Erasmo Bacco | conheça um dos pioneiros no Automobilismo Virtual

Erasmo Bacco | conheça um dos pioneiros no Automobilismo Virtual

Erasmo Bacco, um dos primeiros capítulos desse eSport

Há dois anos eu escrevia o primeiro texto sobre o automobilismo virtual (AV). Desde então, esse eSport evoluiu tão rápido, que hoje as principais categorias já promovem corridas oficiais ou campeonatos virtuais com premiações. Mas antes de falar sobre o período atual, confira a nossa conversa com o narrador de eSports Erasmo Bacco, um dos pioneiros nas transmissões de corridas online no Brasil.

O carioca Erasmo Bacco chegará a marca de 5000 transmissões de automobilismo virtual   

Ao longo de 13 anos de experiência no ambiente de corridas online, Bacco foi de fundador da Liga WE Brasil a narrador das primeiras transmissões das corridas online no Youtube. Além disso, marcou presença em todos os eventos nacionais da Logitech até hoje.

Erasmo Bacco | conheça um dos pioneiros no Automobilismo Virtual
Logitech G Challenger – Brasil Game Show 2018


Para se ter uma ideia do seu histórico, em agosto, Bacco completará a sua transmissão número 5000. Atualmente, o narrador de eSports possui a produtora Bacco TV que produz conteúdo para todos os campeonatos nacionais da Logitech e algumas ligas.

Na primeira parte dessa entrevista, iremos conhecer um pouco mais sobre esse carioca apaixonado pelo AV.

Kolmeia: Quais eram os maiores desafios no início da sua carreira no Automobilismo Virtual

Erasmo Bacco: Primeiro era uma coisa nova! Ninguém fazia transmissão de automobilismo virtual. Na verdade ninguém fazia transmissão de nada (risos). Então, as dificuldades inicias foram mostrar pro público que isso era possível, né? Havia muito pouca referência de como se fazer transmissão de fazer streaming, a Twitch tava engatinhando na época.

Era uma ferramenta absolutamente nova, também foi no começo do YouTube. Então a dificuldade principal foi fazer o público entender que isso era possível. Já a segunda dificuldade era investir em equipamentos e a terceira, foi adquirir conhecimento. Eu fui estudar, fazer curso de locução pra aprender como me comunicar com o público, fui fazer curso de Rádio TV.

As dificuldades foram exatamente essas: adquirir conhecimento para o público entender como era, e adquirir os equipamentos profissionais para transmissão. Algo que ainda não tínhamos acesso no Brasil.

K: Hoje, o AV conta com apoio da FIA, das principais competições internacionais como Fórmula 1. Além disso, sem dúvidas é um dos poucos eSports com maior ligação com esporte. Você imaginava que chegaríamos a esse ponto?

E.B.: Então, no começo eu não acreditei que fosse chegar a FIA, tampouco que o eSports teria esse boom! Ninguém imaginava isso. Se alguém em sã consciência dizer que imaginava que o eSports,de maneira geral, fosse ter o boom que teve 5 anos atrás, era mentira.

Mas depois de todo esse boom, eu comecei a lutar e continuo lutando até hoje pra que o automobilismo virtual tenha o destaque que merece dentro do eSports. Hoje, isso já é uma tendência natural, um caminho sem volta. Então, esse ano o automobilismo virtual como eSports, já terá um crescimento muito grande e no máximo no ano que vem vai ser o boom de verdade mesmo.

K: Nos anos 2000, a franquia Need for Speed ( EA Games) despertou o interesse de uma geração inteira nos jogos de corrida. Assim, muitos acabaram migrando para o Gran Turismo ou Forza. Hoje, o que leva os jogadores a escolher os jogos de corrida?

E.B: É uma paixão que o brasileiro tem pelo automobilismo, né? O brasileiro além de ser gamer, sendo um dos países que mais compram, deve ficar aí entre a 5° ou 8° posição entre países que consomem videogame. Isso mostra a paixão que o brasileiro tem pelo automobilismo.

A campanha da Ipiranga que começou anos atrás foi muito sagaz por exemplo. Quando ela fez aquela campanha ‘Brasileiro é Louco por Carro’ é verdade! O Brasileiro é apaixonado por carro, não só de competição, mas qualquer tipo de carro. O Brasil é um dos países que mais consome produtos pra carro. A gente tem aqui fábricas de produtos pra carro que não tem no resto do mundo, como Pretinho pra Pneu, silicone pra não sei o que, (risos).

Então essa paixão que brasileiro tem por carro é o que faz o automobilismo virtual no Brasil esteja cada vez mais forte, quanto mais pessoas forem descobrindo, o eSport mais irá crescer.

K: Falando um pouco dos gamers do AV, na sua opinião, quem joga com joystick tem chances contra que pilota de volantes e pedais?

E.B.:Tem muita chance, tudo depende da adaptação de cada um. Eu já cansei de ver piloto de joystick ser campeão em cima de piloto de volante. Durante a minha carreira não foram nem uma ou duas vezes que vi acontecer.

Porém se o player pretende se profissionalizar, precisará de volante porque os principais campeonatos do mundo são disputados com um volante. Então, se ele se classificar jogando com joystick e for disputar contra alguém que joga no volante e não tiver experiência, sairá prejudicado.

Assim, eu só acredito que o cara precise ter o volante se ele quer se profissionalizar e competir nos grandes campeonatos do mundo.

K: Estamos às vésperas da nova geração de consoles, quais evoluções você espera nos jogos de corrida?

E.B.: Eu espero que venha tudo com cross-platform agora, é o que eu espero de verdade nos novos consoles. Afinal, qualidade gráfica tá em um nível muito bom, qualidade de imagem e de áudio a maioria dos jogos entregam muito bem.

Ainda que tenha bastante bug, é verdade, porque há um desdém. Não da pra comparar jogos que vendem 8 milhões de cópias com jogos que vendem 30 ou 40 milhões, no caso os jogos de FPS.

Então ainda há um pequeno desdém das produtoras em não capacitarem melhor os seus profissionais no desenvolvimento das engines pra ter um produto melhor no automobilismo virtual. Contudo, o que eu espero de verdade um cross-platform em definitivo, onde você possa jogar tanto no PS4, quanto no Xbox contra players de qualquer plataforma, seja lá PC ou console. Isso é o que eu espero.

O que esperar da segunda parte dessa entrevista?

Como podem ver, a nossa conversa com Erasmo Bacco rendeu bastante assunto. Por isso, decidimos separar a entrevista em duas parte. Com isso, na segunda parte falaremos sobre a Confederação Brasileira de Automobilismo Virtual (CBAV), do que o Bacco se orgulha e o que se arrepende nesses 13 anos. Além do próximo campeonato da Logitech e outros assuntos.
Não esqueça de nos acompanhar no instagram, em breve criaremos a Terça do motor nos stories. Até a próxima, Buzzz Tchau!

More Stories
IRB Esports | Os 12 vencedores na 2° etapa e atuação de Beto Monteiro
IRB Esports | Segunda semana, 12 vencedores diferentes e participação de Beto Monteiro